A Profecia Pós-Bíblica

Atenção: este é um blog pessoal e não oficial de testemunho e portanto todos os comentários e reflexões que não forem atribuídos a outras fontes, são somente opiniões pessoais e não podem traduzir a postura da pessoa, grupo, instituição, etc, aqui mencionados e promovidos. 

 

A PROFECIA CRISTÃ

 

NUNCA CESSA E SEMPRE

AFIRMA E REAFIRMA A REVELAÇÃO DE DEUS NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO

 

 

O livro já foi editado em 2007 em inglês e depois também em espanhol; o autor apresenta um estudo completo, de 14 anos, da profecia desde o antigo Israel até o presente e examina detalhadamente o desenvolvimento do discurso teológico que a tem acompanhado. E critérios de discernimento são abordados com firmeza e clareza. Fornece um critério inédito que vem a completar e preencher a falta que fazia. 

 

 

Edição em Inlês e também há Edição em Espanhol

"Profecía Cristã - Suas pré-condições, Função e status na Igreja"

Tese Doutoral, fruto de exaustivos 14 anos de estudo, defendida em 13 de Janeiro de 2001, na Universidade Gregoriana de Roma, por Niels Chrisitan Hvidt . Foi publicada em livro pela Oxford em 2007.

 

13 January 2001: Public defence of Doctoral Thesis "Christian Prophecy - Its Preconditions, Function, and Status in the Church" 
 Extract   Publication of doctoral thesis on Oxford University Press 

"Ratzinger em Prefácio e Hvidt defenden as revelações proféticas pós-bíblicas como parte do Depósito da Fé posto que sua origem é Deus e ignorá-las, não estudá-las,desprezá-las e combatê-las é grave ofensa a Deus, é pecado contra o EspíritoSanto, é impedir que o bem que Deus está concedendo realize o efeito necessário.

Deus nunca faz algo inútil. Certamente que a Revelação Profética pós-bíblica não pode contrariar o Depósito principal da Fé, do qual está em constante relação de dependência.

A tese fornece critério seguro de discernimento da Revelação Profética verdadeira.

 

Esconder a Voz de Deus é um pecado mortal, conforme o próprio Deus adverte nas Mensagens de um exemplo atual de Revelação Profética pós-bíblica que é

"A Verdadeira Vida em Deus".   http://www.tlig.org/pg caso estudado e incluído na tese de Hvidt. E que em 2005 recebeu reconhecimento eclesiástico  de autenticidade, e pessoalmente pelo Cardeal Ratzinger, Prefeito da Congregação para Doutrina da Fé, em 2005 na culminância de todos resultados positivos de um estudo de 2 anos e meio da obra e da mensageira Vassula por parte da Congregação para Doutrina da Fé por ordem do próprio Prefeito da CDF na época o Cardeal Ratzinger, que no mesmo ano foi eleito Papa Bento XVI. A obra A Verdadeira Vida em Deus é autêntica.

 

 As perguntas são: Deus faz imperfeições? Deus faz coisas inúteis? Deus não é bastante inteligente? O ser humano é mais inteligente que Deus? Os exegetas e teólogos são mais inteligentes que Deus e/ou provam que Ele nem existe? etc etc, etc... 

 

 

 

Profecia Cristã

A Tradição Pós-Bíblica

 

autor Niels Christian Hvidt

 14 anos de pesquisa e estudos

 

ATENÇÃO:Já me disseram que ter se doutorado na Gregoriana pode ser negativo atualmente...mas Dr.Hvidt não demonstra assimilação de erros mas antes dá testemunho da Verdade...é ler para comprovar. O seu trabalho é muito importante principalmente na atual grande apostasia.Do mesmo modo Ratzinger tendo cometido erros já os está reconhecendo ao prefacear esta obra...as pessoas de boa fé e bem formadas são capazes de reconhecer erros e buscar corrigi-los...

Tese de Doutorado defendida na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (ThD – Romano equivalente ao grau de PhD)

 

Com aval e Prefácio de Joseph Cardeal Ratzinger, Prefeito da Congregação para Doutrina da Fé para a edição em livro pela Oxford University Press.

 

 

 

 

 

ATENÇÃO: english version to read some 

http://christian-prophecy.org/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Niels Christian Hvidt

Traducido del idioma Inglés por: María del Carmen Gilabert

 Con vigor Hvidt expresa: “Los dones proféticos de Cristo no son nunca privados, sino manifestación del Espíritu dada para el bien común y cada uno que profetiza habla a los hombres para su fortalecimiento, su estímulo, su confort y edifica la Iglesia”.“Con esto -añade- la Profecía llega a ser una parte integral de la revelación, como una de las formas por las que la Palabra de Dios continúa manifestándose y se da al pueblo de Dios”.

[...]

“Así en períodos cruciales en la Historia de la Iglesia -continúa el Autor- mayormente mujeres con un perfil profético, tales como Brígida, Catalina de Siena y Juana de Arco, se plantaron en forma similar a los profetas del Antiguo Testamento y llamaron al pueblo de Dios a vivir de acuerdo a su Palabra”.

[...]

 

 

 

Discurso del Santo Padre Benedicto XVI en el Salón de Conferencias de la Casa de Nuestra Señora del Carmen en Fátima, el jueves 13 de Mayo de 2010, que dijo:

“Mantened viva en el escenario del mundo de hoy la dimensión profética, sin mordazas, porque «la palabra de Dios no está encadenada» (2 Timoteo 2, 9)”.

 

 

 

  • Habilidades de linguagem:
    :: Fala, lê e escreve: dinamarquês, alemão, inglês, francês, italiano e sueco.
    :: Fala e lê: Espanhol.

    :: Lê: latim, grego, hebraico (três exames na Universidade de Copenhaga), português.

  • 15 March 1969: Born in Copenhagen - Danish father and German mother.

A tese de doutorado

de Niels Christian Hvidt

fundamenta

com sobriedade científica

a necessária

a mais que urgente

e coerente

mudança de paradigma que se desvela:

 a profecia cristã pós-bíblica faz parte

do Depósito da Fé.

 

 

 

Tudo que Deus quer nos dizer e recomendar não se trata de um conjunto de regras arbitrárias e/ou autoritarismo mas sim de iluminar-nos com um conjunto de dignidades...

Defender os Mandamentos de Deus não se trata de ser legalista mas de cultivar a dignidade...

 Moralidade não se trata de regras mas de dignidade...

E exatamente a próposito, os Profetas do Antigo e Novo Testamento são instrumentos de Deus para incessantemente anunciar, recordar e reafirmar a dignidade divina e transcendente que a humanidade tem desde o instante de sua concepção.

Os profetas, neste sentido, por excelência no Novo Testamento são os que recebem o Sacramento da Ordem, Padres e Bispos, mas não apenas eles.

Os Profetas são constantemente suscitados para reavivar o chamado de Deus a cada um e a todos de modo que jamais se possa dizer que Deus não existe e se existe não está presente...

Em sua tese feita livro "Profecia Cristiana", edição em español, na página 291, 7.8 Conclusión, Dr.Hvidt nos ilumina comestas palavras lapidaresque devemos considerar cuidadosa e entusiasticamente:

"[...]la profecía sirve a la realización y reactualización de los fundamentos da fe que ha encontrado muchas realizaciones históricas concretas en las "edades de oro" del Cristianismo. Los  profetas vuelven a señalar esas realizaciones y llaman a los fieles a vivir por la fe como en los días de antes. Pero al hacer esto no señalan tanot a realización histórica ejemplar del Reino como Reino en sí mismo, y este Reino, la verdadera realidad de Dios, se encuentra, antes, por encima y por delante de la presente edad histórica, porque trasciende la história. No es solamente materia de restauración 65. Los profetas son los agentes de la Iglesia, a través de los cuales el Reino trasciendente de Dios contiúa concreta e poderosamente realizándose a sí mismo en el tiempo. Es el poder de esta presencia dinámica del mundo de Dios dentro del mundo de los humanos que permite a los creyentes constantemente ser atraídos hacia el Mundo por Venir aunque vivan en el mundo de ahora."

 

 

PREFACIO
del libro Profecía Cristiana de Niels Christian Hvidt
por Joseph Ratzinger
Traducción de María del Carmen Gilabert

 

 ¿Qué es un profeta? Un profeta no es un adivino; el elemento esencial del profeta no es la predicción de acontecimientos futuros.

 El profeta es alguien que dice la verdad con la fuerza que le otorga su contacto con Dios,  la verdad para hoy, que también, naturalmente arroja luz sobre el futuro. No se trata de contar el futuro con detalle, sino de traer la verdad de Dios presente en este momento y de indicarnos la dirección correcta.

 En lo concerniente a Israel, la palabra del profeta tiene una función particular en tanto la fe es esencialmente entendida como esperanza en el que vendrá: una palabra de fe es siempre la realización de la fe, esencialmente en su estructura de esperanza, porque conduce a la esperanza y la mantiene viva. Es igualmente importante subrayar que el profeta no es apocalíptico, aunque pueda parecerlo. Esencialmente, no describe las últimas realidades pero nos ayuda a comprenderlas y a vivir la fe como esperanza.

 Aún si, en cierto momento, el profeta debe proclamar la palabra de Dios como si fuera una filosa espada, no necesariamente critica el culto organizado ni las instituciones. Su mandato es contrarrestar el malentendido y el abuso de la Palabra dentro de la institución haciendo siempre presente el llamado vital de Dios. Sin embargo, sería un error malinterpretar el Antiguo Testamento como si fueran dialécticamente opuestas la Ley y los profetas. Dado que ambos vienen de Dios, ambos tienen funciones proféticas. Este es un punto muy importante para mí, pues nos conduce al Nuevo Testamento. Al final del Deuteronomio, Moisés es presentado como profeta y él mismo se presenta como tal. El dice a Israel:”Dios les enviará un profeta como yo”. ¿Qué significa “un profeta como yo? Nuevamente, de acuerdo al Deuteronomio – y creo que éste es el punto decisivo –Moisés particularmente parte del hecho que él habla con Dios como con un amigo. Yo me inclino a ver la raíz del elemento profético en ese “cara a cara” con Dios, en ese “hablar con El como con un amigo”. Solo en virtud de este encuentro directo con Dios el profeta puede hablar en los momentos del tiempo.(1)

 La Revelación alcanza su meta con Cristo porque, con las bellas palabras de San Juan de la Cruz, – cuando Dios ha hablado en persona no hay nada más que agregar. Nada más puede ser dicho sobre el Logos. El está con nosotros de una forma completa y Dios no tiene nada más grande que darnos que El mismo, o que decirnos que Su Palabra.

 Pero esta completitud de Dios que se da a sí mismo – esto es, que El, el Logos, está presente en la carne – también significa que debemos continuamente penetrar este Misterio. Y esto nos devuelve a la estructura de la esperanza. La venida de Cristo es el comienzo de un conocimiento en constante profundización y en un gradual descubrimiento de lo que, en el Logos, está siendo dado. Por lo tanto, una nueva forma de conducir al hombre a la verdad total queda inaugurada: como Jesús dice en el evangelio de Juan, el Espíritu Santo descenderá. Yo creo que la Cristología pneumatológica (2) del discurso de despedida de Jesús es muy importante para nuestro tema, dado que Cristo explica que su venida en la carne era sólo el primer paso. La verdadera venida ocurrirá cuando no esté ligado a un lugar limitado, a un cuerpo, sino cuando El venga para todos nosotros en el Espíritu como El Resucitado, por lo que entrar en la verdad puede adquirir más y más profundidad. Me parece claro que – considerando toda la vida de la Iglesia, que es el tiempo en que Cristo viene a nosotros en Espíritu y que está determinada por esta Cristología Pneumatológica – el elemento profético como elemento de esperanza y atracción, no puede naturalmente estar faltando o permitírsele que se desvanezca. A través de los carismas, Dios reserva para sí el derecho a intervenir directamente en la Iglesia para despertarla, advertirla, promoverla y santificarla. Yo creo que esta historia carismático- profética atraviesa todo el tiempo de la Iglesia. Está siempre allí especialmente en los más críticos momentos de transición.

 Niels Christian Hvidt ha trabajado durante varios años en el tema de la Profecía Cristiana en el marco de la teología fundamental. Esta disertación doctoral es el fruto de sus investigaciones y provee muchas nuevas ideas en este tema complejo pero vital.

 Los Padres de la Iglesia sabían que el Cristianismo no podía ser el estadio final de la salvación sino una fase intermedia entre la Encarnación y su glorioso Retorno. Esta realización y lo que ello implica para la verdadera naturaleza del Cristianismo necesita una ulterior elaboración, y Niels Chirstian Hvidt provee una importante contribución a ello.

 En la parte histórica del trabajo, Hvidt muestra que el llamado profético de Dios por medio de los profetas aparece a través de toda la historia de la Iglesia. En su discusión sobre teología fundamental, Hvidt investiga entonces el propósito y precondiciones de la profecía cristiana a la luz de los desarrollos en los últimos 50’ años de la teología de la Revelación, que ha dado nuevo ímpetu a la discusión sobre profecía cristiana. De esta forma ofrece una nueva forma de ver la actualización de la Revelación, especialmente en la vida misma de la Iglesia, lo que se demuestra con investigaciones sociológicas de un modo muy interesante. La profecía está permanentemente desafiada por la falsa profecía., lo que siempre ha representado la mayor amenaza frente al don de profecía. Los criterios que Hvidt presenta para discernir la profecía son, por lo tanto, vitales.

 Con su discusión, Niels Christian Hvidt ha ollado nueva tierra teológica y con eso ha efectuado contribuciones importantes al tema que necesitaba un pensamiento que llegara más lejos. Deseo para este libro muchos lectores atentos.

 

Joseph Card. Ratzinger

 

 Notas de la traductora:
(1) Lo que parece una redundancia entiendo que debe apreciarse como una distinción entre la entrada en la eternidad que hace el profeta por su contacto directo con Dios y la manifestación hecha en el tiempo de la vida real, que es la vida de la materia sujeta al tiempo.

(2) Teología Pneumatológica o Teología del Espíritu. Pneuma en griego: hálito vital (lo que distingue a un vivo de un muerto), aire, espíritu.

 

 

O teólogo cristão dinamarquês PhD Dr.Niels Christian Hvidt relata pessoalmente sobre a tese e depois livro "Profecia Cristã - a Tradição Pós-Bíblica" que recomendamos veementemente nesta página:

 

"It is the result of 14 years of research, so a large part of my life has gone into it, and I think it has a paradigmatic character to it. I hope Jesus agrees:) "

trad.: [Profecia Cristã - A Tradição Pós-Bíblica] É resultado de 14 anos de pesquisa, uma bem longa parte de minha vida foi dedicada a isto e eu penso esta obra tem caráter paradigmático. Espero que Jesus esteja de acordo :)"

 

 

E também relata que durante os 14 anos de pesquisa, morou 7

anos em Roma e destes sete anos, 5 anos acompanhou

Vassula que na época também morava em Roma, o que não

quer dizer que a sua tese de doutorado é exclusivamente sobre

o caso de Vassula Ryden, NÃO, Dr.Hvidt estuda as principais

obras proféticas como por exemplo Santa Catarina de Sena,

Doutora da Igreja, Santa Tereza de Jesus e São João da Cruz.

Então não façamos confusão e reducionismos. A tese de

Dr.Hvidt é sobre toda Profecia Cristã Pós-Bíblica e sobre a

profecia bíblica em si como um dos modos como Deus sempre

expressa-Se e acompanha incessantemente a humanidade e

Sua Igreja.

A Providência Divina certamente suscitou a Vassula e

aproximou Dr.Hvidt que já desenvolvia sua tese, para que

estudasse também o caso especialíssimo e atual de profecia

para a unidade da Igreja e um chamado à conversão, no atual

fim dos tempos em que as tribulações são apocalípticas e a

confusão impera cada vez mais.

 

 

 

"I lived in Rome for seven years (five of them next to Vassula)."

Trad: "Vivi em Roma por sete anos (cinco deles acompanhando Vassula)"   

 

http://www.fundacionjesusdelamisericordia.com/libros/profecias/profecia-cristiana-detail

A Profecia Cristã nunca cessa está presente no Antigo e Novo Testamento

Este livro é altamente recomendado por nada menos que o Cardeal Joseph Ratzinger quando era Prefeito da Congregação para Doutrina da Fé; trata-se de Tese de Doutoramento do teólogo católico dinamarquês Niels Christian Hvidt pela Universidade Gregoriana de Roma.

 

Com autógrafo, o texto original em alemão de Joseph Cardeal Ratzinger da apresentação do livro Profecia Cristã de Niels Christian Hvidt, pode ser visualizado no seguinte link:

 

 http://www.christian-prophecy.org/BookImg/VorwortRatzinger.pdf

 

É uma obra imprescindível para compreender que a profecia cristã nunca cessa e o quão é importante para a Igreja de Cristo e para a Humanidade.

Considero uma leitura fundamental para todos que se sentem responsáveis pelo que pensam e dizem em relação às obras do Espírito Santo para o benefício da Igreja de Cristo e da Humanidade carente de conversão.

É preciso argumentos e não "achismos" ou parcialidades ou mesmo ignorâncias.

Deus nada faz de inútil e temos o dever de acolher as obras de Deus sem ignorar ou zombar só porque nunca nos interessamos em saber realmente do que se trata a profecia cristã que nunca cessa: Deus nunca pára de expressar-Se, nunca.

 



Niels Christian Hvidt, Christian Prophecy – the Post-Biblical Tradition,
Oxford/New York: Oxford University Press, 2007


Foreword by
Joseph Card. Ratzinger1

(Download as pdf: English /German Orginal)

What is a prophet? A prophet is not a soothsayer; the essential element of the prophet is not the prediction of future events. The prophet is someone who tells the truth on the strength of his contact with God–the truth for today, which also, naturally, sheds light on the future. It is not a question of foretelling the future in detail, but of rendering the truth of God present at this moment in time and of pointing us in the right direction. As far as Israel is concerned, the word of the prophet has a particular function in that faith is essentially understood as hope in Him who will come: a word of faith is always the realization of the faith, especially in its structure of hope, because it leads hope on and keeps it alive. It is equally important to underline that the prophet is not apocalyptic, though he may seem so. Essentially, he does not describe the ultimate realities but helps us to understand and live the faith as hope.

Even if, at a moment in time, the prophet must proclaim the Word of God as if it were a sharp sword, he is not necessarily criticizing organized worship and institutions. His mandate is to counter misunderstanding and abuse of the Word within the institution by rendering God’s vital claim ever present. However, it would be wrong to misconstrue the Old Testament as antagonistic dialectics between the prophets and the Law. Given that both come from God, they both have a prophetic function. This is a very important point in my mind because it leads us into the New Testament. At the end of Deuteronomy, Moses is presented as prophet and he too presents himself as such. He tells Israel: ‘God will send you a prophet like me’. What does ‘a prophet like me’ mean? Again, according to Deuteronomy–and I think this is the decisive point–Moses’ particularity lay in the fact that he spoke with God as with a friend. I tend to see the root of the prophetic element in that ‘face to face’ with God, in ‘talking with Him as with a friend’. Only by virtue of this direct encounter with God may the prophet speak in moments of time.

Revelation attained its goal with Christ because, in those beautiful words of Saint John of the Cross—when God has spoken in person there is nothing more to add. Nothing more about the Logos can be said. He is among us in a complete way and God has nothing greater to give us than Himself, or to say to us than His Word.
But this very wholeness of God’s giving of himself–that is, that He, the Logos, is present in the flesh–also means that we must continually penetrate this Mystery. And this brings us back to the structure of hope. The coming of Christ is the beginning of an ever-deepening knowledge and of a gradual discovery of what, in the Logos, is being given. Thus, a new way is inaugurated of leading man into the whole truth: as Jesus puts it in the Gospel of John, the Holy Spirit will come down10. I believe that the pneumatological Christology of Jesus’ leave-taking discourse11 is very important to our theme, given that Christ explains that his coming in the flesh was just a first step. The real coming will happen when Christ is no longer bound to a place or limited to a body, but when he comes to all of us in the Spirit as the Risen One, so that entering into the truth may also acquire more and more profundity. It seems clear to me that–considering the entire life of the Church, which is the time when Christ comes to us in Spirit and which is determined by this very pneumatological Christology–the prophetic element, as element of hope and appeal, cannot naturally be lacking or allowed to fade away. Through charisms, God reserves for himself the right to intervene directly in the Church to awaken it, warn it, promote it and sanctify it. I believe that this prophetic-charismatic history traverses the whole time of the Church. It is always there especially at the most critical times of transition.


Niels Christian Hvidt has worked for a number of years with the theme of prophecy in the framework of Christian Prophecy. This doctoral dissertation is the fruit of his research and provides many new insights in this complex but vital theme. The Fathers of the Church knew that Christianity could not be the final stage of salvation, but an intermediary phase between the Incarnation of Christ and his glorious Return. This realisation and what it means to the very nature of Christianity needs further elaboration, and Niels Christian Hvidt provides a lively contribution hereto.

In the historical part of the work, Hvidt shows that the prophetic call of God through the prophets appears throughout the history of the Church. In his discussion of fundamental theology, Hvidt therefore investigates the purpose and preconditions of Christian prophecy in light of developments in the past 50 years in revelation theology, which have given new impetus to the discussion of Christian prophecy. In this way he offers a new approach to the actualisation of revelation and to the development of tradition and dogma regarding revelation. Prophecy proves to be operative in all areas of the actualisation of revelation, especially in the very life of the Church, which sociological investigations show in an interesting way. Prophecy is constantly challenged by false prophecy, which always represented the greatest threat to the true prophetic gift. The criteria that Hvidt presents for discerning prophecy are therefore vital.

With his discussion, Niels Christian Hvidt has trod new theological land and therewith has made important contributions to a theme that needs further thought. I wish the book many attentive readers.

Joseph Card. Ratzinger

[1] HH Pope Benedict XVI kindly wrote this preface prior to his election to the papacy.

(Download as pdf: English /German Orginal)

Visit hvidt.com. Purchase at Amazon.com.
© Niels Christian Hvidt 2007. All rights reserved.

http://www.christian-prophecy.org/foreword.html

 

Significado de Paráclito:

Palavra do grego "parakletos", o mediador, o defensor, o consolador; aquele que está ao lado; que intercede

 

Exemplo do uso da palavra Paráclito:

  • N.Sra. de Akita
    Irmã Agnes Sasagawa Katsuko

  • N.Sra. de Lourdes
    Santa Bernadete

  • Nossa Senhora de la Salette
    Maximin e Malanie

  • Santa Tereza de Jesus
    Doutora da Igreja

  • São João da Cruz
    Doutor da Igreja

  • Santa Catarina de Sena
    Doutora da Igreja

  • Divina Vontade
    Luisa Picarreta

  • O Poema do Homem-Deus
    Maria Valtorta

  • A Verdadeira Vida em Deus
    Vassula Ryden

  • Pastorinhos de Fátima

  • Videntes desde adolescentes de Medjugorje

  • Crianças videntes de Garabandal

https://fratresinunum.com/2017/06/01/a-russia-sera-catolica/#comment-127081

[...]

 Em sua autobiografia, o barnabita russo escreveu: “Quando a heresia ameaça, quando a fé definha, quando os costumes se corrompem e as pessoas adormecem à beira do abismo, Deus, que tudo dispõe com peso, número e medida, para despertá-los, abre os tesouros de sua graça; e ora suscita em alguma obscura aldeia um santo escondido, cuja eficaz oração retém seu braço  pronto para punir; ora faz aparecer na face da terra uma esplêndida luz, um Moisés, um Gregório VII, um Bernardo; ora inspira, pelo concurso de algum fato milagroso, passageiro ou permanente, a ideia de uma peregrinação ou de qualquer outra nova devoção, nova talvez pela forma, mas sempre antiga na essência, um culto comovente e salutar. Tal foi a origem da devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Esse culto nascido  no meio de muitas contradições, num pequeno claustro da aldeia de Paray-le-Monial…”.

 Tal, podemos acrescentar, é a origem da devoção ao Coração Imaculado de Maria, cuja propagação Nossa Senhora pediu cem anos atrás numa pequena aldeia de Portugal. Em Fátima, Nossa Senhora anunciou a realização do grande ideal do padre Šuvalov: a conversão da Rússia à fé católica. Um acontecimento extraordinário que pertence ao nosso futuro, e que fará ressoar em todo o mundo as misteriosas palavras da Escritura que o padre  Šuvalov aplica à sua própria conversão: Surge qui Dormis, surge a mortuis et iluminabit te Christus“Desperta, tu que dormes! Levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará” (Ef 5, 14).