Matrimônio

Atenção: este é um website pessoal e não oficial de testemunho e portanto todos os comentários e reflexões que não forem atribuídos a outras fontes, são somente opiniões pessoais e não podem traduzir a postura da pessoa, grupo, instituição, etc, aqui mencionados e promovidos. Com Imprimatur e Nihil Obstat dedes 2005, a obra mística divina “A Verdadeira Vida em Deus”tem todas as mensagens, livros, documentos, testemunhos, orações, palestras, peregrinações, retiros, casas de caridade e toda informação idônea e completa no

 

Site Oficial geral em inglês da obra mística divina evangelizadora "A Verdadeira Vida em Deus" em 26 idiomas  www.tlig.org 

 

 

em idioma português o Site Oficial é www.tlig.org/pt/

Matrimônio

Home > Catequese > Casamento: a intenção de Deus Casamento: a intenção de Deus CATEQUESE 22 de fevereiro de 2019 Texto de áudio + Em nomeações Patris et Filii et Spritus Sancti. amém

 

Il Matrimonio: l’intento di Dio 00:00 03:01 MENU aceitar 24/02/2019 Casamento: a intenção de Deus - radioromalibera.org | Podcasts de áudio e vídeo https://www.radioromalibera.org/catechesi/il-matrimonio-lintento-di-dio/ 2/2 

 

 

O objetivo final de tudo isso é a glória do Deus Uno e Trino  da Santíssima Trindade, que as coisas materiais  glorifiquem a Deus com sua mera existência, com sua ordem, sua beleza e, se viverem, com sua vida: imitando e refletindo nestas formas algo das perfeições infinitas de Deus. Os seres racionais, no entanto, glorificam a Deus com sua racionalidade: com o seu conhecimento e, sobretudo, com o seu amor por Deus, que culmina na santidade: modo em que imitam e refletem o conhecimento e o amor de Deus por Si Mesmo.

Agora, Deus poderia ter criado homens na idade adulta já em pleno conhecimento d'Ele e em pleno amor por Ele, como Ele fez no caso de Adão e Eva. Em vez disso, Deus estabeleceu que os homens viriam a conhecê-Lo e amá-Lo gradualmente, começando com seu nascimento e educação na família: o lugar de sua formação inicial para a vida eterna.

Vemos claramente que o primeiro objetivo do casamento deve ser a procriação e educação dos filhos, mesmo de numerosos filhos, para guiá-los em direção à santidade.

Diante disso, seu segundo objetivo é obviamente a assistência mútua (e amorosa) dos cônjuges: isto é, colaboração entre eles para criar seus filhos e um amor entre eles e seus filhos, para que os filhos não só cresçam, mas cresçam felizes e bem equilibrados. Esta colaboração deve levar, em segundo lugar, à santificação dos próprios cônjuges, sendo este o objetivo final de todos.

O terceiro propósito, uma consequência do Pecado Original que tem (entre outras coisas) desordenado a sexualidade humana, consiste no remédio para a concupisciência, o que significa que a sexualidade no casamento tem um contexto honesto para o seu exercício (moderado e modesto, é claro ).

 

@ 2019 radioromalibera.org | Podcasts de áudio e vídeo | Política de privacidade

 

 

ATENÇÃO

Na religião judaica o oposto do matrimônio é a prostituição, e uma das palavras que significa prostituta é Kadeshah – literalmente, uma mulher que corrompeu a sua santidade, indicando o outro lado da mesma, que é a perversão (Talmud Babilônico, Sanhedrin, 82). Um dos motivos pelo qual o sexo é tão sagrado é porque ele tem a capacidade de conseguir algo que está além do poder de todas as outras funções humanas – isto é, trazer uma alma para o mundo, e produzir um ser humano. Segundo o Talmud (TB65 , Tiferet Israel), isto explica o pacto de D’us com Abraão que envolvia a circuncisão – uma marca indelével sobre o órgão reprodutor. Como patriarca do povo judeu, ele e seus filhos agora seriam capazes de usar este órgão para trazer as almas mais sagradas ao mundo.

 

 

Artigo todo:

 

http://www.neauerj.com/Nearco/arquivos/numero8/4.pd

 

OBS: na questão de Adão e Eva devemos saber que ambos não perderam o livre-arbítrio apesar de terem sido criados em estado de graça plena. Do mesmo modo a Virgem Maria em estado de graça plena não perdeu o livre-arbítrio e de fato na Anunciação ela tendo prudentemente indagado ao Arcanjo como seria e a resposta do Arcanjo tendo sido de acordo com o procedimento divino, ela escolheu livremente tornar-se mãe do Filho de Deus e cumprir o Plano de Deus dizendo "Sim". Saibamos que a Virgem Maria recebeu antecipadamente a redenção de Cristo e por isso foi preservada da mancha do pecado original, sem perder o livre-arbítrio como faço observar. Quando se está em estado de graça após a Confissão sacramental nós também não perdemos o livre-arbítrio. A Virgem Maria e Jesus Cristo são a nova Eva e o novo Adão porém agora pelo vínculo da maternidade e filiação: uma virgem dará a luz...é o sinal sobrenatural. 

E de Jesus Cristo viria a nascer e nasceu a Igreja, da Santa Chaga do Seu lado, nasce a Esposa que é a Igreja na terra para seu Esposo Divino que na Santa Cruz da Sua vida por ela a Esposa, a Santa Igreja. Vejamos que belíssima metáfora e acontecimento místico da mais alta mística santa espiritual figurada e materializada desse modo e que nos remete ao paralelismo entre e como novo Gênesis frente ao primeiro Gênesis.

O Antigo Testamento e Antiga Aliança dá lugar ao Novo Testamento e Nova e definitiva Aliança.

Jesus Cristo é ao mesmo tempo e em Si mesmo todo o Antigo Testamento atualizado, realizado e levado à perfeição e plenitude.Com auxílio da Virgem Maria como nova Eva e redentora da primeira Eva ao lado de Jesus Cristo Crucificado e Ressuscitado se relizou e resumiu todo Plano de Deus.

A partir da Crucificação e Ressurreição de Nosso Senhor e único Salvador Jesus Cristo iniciou-se um novo tempo de misericórdia para a conversão e salvação de muitos, por causa do livre arbítrio que Deus respeita e jamais viola impondo a Salvação mas antes oferecendo a Salvação como presente e graça amorosa do Pai, através do Filho e por meio do Espírito Santo, e pelo auxílio da Virgem Mãe em cuja aceitação, livre obediência e amor puríssimo se deu a união de Deus com a humanidade de modo pleno e irrevogável para todo sempre.

Como nós humanos somos desatentos e falhos no conhecimento de Deus e Seu Amor inefável e óbvio, a começar por mim mesma...

Senhor, tem piedade!

 

Gloria ao Pai ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre pelos séculos dos séculos. Amém. 

Santíssima Mãe de Deus, e Sempre Virgem Maria, a Imaculada, co-Redentora, intercedei por nós! Amém.

Na religião judaica o oposto do matrimônio é a prostituição, e uma das palavras que significa prostituta é Kadeshah – literalmente, uma mulher que corrompeu a sua santidade, indicando o outro lado da mesma, que é a perversão (Talmud Babilônico, Sanhedrin, 82). Um dos motivos pelo qual o sexo é tão sagrado é porque ele tem a capacidade de conseguir algo que está além do poder de todas as outras funções humanas – isto é, trazer uma alma para o mundo, e produzir um ser humano. Segundo o Talmud (TB65 , Tiferet Israel), isto explica o pacto de D’us com Abraão que envolvia a circuncisão – uma marca indelével sobre o órgão reprodutor. Como patriarca do povo judeu, ele e seus filhos agora seriam capazes de usar este órgão para trazer as almas mais sagradas ao mundo.

 

 

Artigo todo:

 

http://www.neauerj.com/Nearco/arquivos/numero8/4.pdf

Santo Ireneu de Lyon (c. 130-c. 208), bispo, teólogo, mártir 
Contra as heresias, III, 22

A Virgem Maria foi obediente quando disse: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1,38). Pelo contrário, Eva foi desobediente, tendo desobedecido quando era ainda virgem. E assim como Eva, desobedecendo, se tornou causa de morte para si mesma e para todo o género humano, assim também Maria, tendo por esposo aquele que lhe tinha sido antecipadamente destinado mas mantendo-se virgem, se tornou, pela sua obediência, causa de salvação para si mesma e para todo o género humano. […] Porque o que foi ligado só pode ser desligado quando se faz em sentido inverso o processo que tinha dado origem ao nó, de tal maneira que o primeiro laço é desatado por um segundo, tendo o segundo a função de desatar o primeiro. 

Era por isso que o Senhor dizia que os primeiros seriam os últimos, e os últimos os primeiros (Mt 19,30). E também o profeta afirma a mesma coisa, ao dizer: «Em lugar dos teus pais, virão os teus filhos» (Sl 44,17). Porque, ao tornar-Se «o Primogénito dos mortos», ao receber no seu seio os pais antigos, o Senhor fê-los renascer para a vida em Deus, tornando-Se Ele mesmo «o princípio» (Col 1,18), já que Adão fora o princípio dos mortos. É também por isso que Lucas começa a sua genealogia pelo Senhor, fazendo-a depois remontar até Adão (Lc 3,23ss.), indicando assim que não foram os pais que deram a vida ao Senhor, mas foi Ele, pelo contrário, que os fez renascer no Evangelho da vida. Da mesma maneira, o nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria, porque aquilo que a virgem Eva tinha atado pela sua incredulidade foi desatado pela Virgem Maria pela sua fé.

Tradução do artigo em espanhol

Descubra por que há uma cidade onde nem mesmo um único divórcio ocorre

TAGSBosniaDivorcioHerzegovinaPueblo

Imagem de Siroki-Brijeg.

O casamento é a vocação mais difícil que existe em todos os lugares e o divórcio está em ascensão. No entanto, há uma pequena cidade na Europa que é uma exceção - uma exceção notável - a essa estatística preocupante.

Na cidade de Siroki-Brijeg da Bósnia e Herzagovina, não há um único divórcio ou família que tenha sido registrado na memória viva de seus mais de 26.000 habitantes *. Então, vendo isso, nos perguntamos: qual é o segredo do seu sucesso?

A resposta é a bela tradição que o povo croata de Siroki-Brijeg tem para o casamento. De fato, essa tradição de casamento croata está começando a se firmar no resto da Europa e da América entre os católicos devotos que viram as bênçãos que ela concede.

Durante séculos, o povo de Siroki-Brijeg sofreu cruelmente, já que sua fé cristã sempre foi ameaçada pelos muçulmanos turcos, primeiro pelos comunistas. Eles sempre souberam por experiência que a fonte da salvação vem através da cruz de Cristo. Não vem de ajuda humanitária, nem de tratados de paz ou planos de desarmamento, mesmo que essas coisas possam trazer alguns benefícios muito limitados.

Essas pessoas possuem uma sabedoria que não lhes permite ser enganados sobre questões de vida e morte. É por isso que eles uniram inextricavelmente o casamento com a cruz de Cristo. Eles basearam no casamento a cruz que os faz avançar na vida com divindade e luz.

Quando a noiva e o noivo vão à igreja para se casar, eles carregam um crucifixo com eles. O padre abençoa o crucifixo e é preciso dizer que eles encontraram o parceiro ideal com quem compartilhar sua vida, exclamando:

"Você encontrou sua cruz! É uma cruz para amar, para carregá-lo com você, uma cruz que não deve ser tirada de suas vidas, mas sim para apreciá-la ”.

Ao trocar votos de casamento, a noiva coloca a mão direita no crucifixo e o noivo põe a mão direita sobre a dela. Ambas as mãos estão unidas entre si e unidas à cruz. O padre cobre as mãos com a estola enquanto pronuncia sua promessa de amar-se mutuamente nos bons e maus momentos, proclamando seus votos de fidelidade segundo os ritos da Igreja.

Então, os dois beijam a cruz. Se alguém abandona o outro, ele abandona Cristo na cruz. Perder Jesus Após o casamento, os recém-casados ​​cruzam o limiar de sua casa para entronizar o mesmo crucifixo em um lugar de honra. Torna-se o ponto de referência de suas vidas e o lugar da oração familiar, porque o jovem casal acredita profundamente que a família nasce da cruz.

Em tempos de dificuldades e incompreensões, como em todas as relações humanas, em algum momento de suas vidas, ir imediatamente para um astrólogo ou um advogado ou um psicólogo, preferem tomar a cruz, ajoelhar-se, chorar lágrimas de arrependimento e eles abrem seus corações pedindo força para perdoar o outro e implorando a ajuda do Senhor. Essas práticas foram aprendidas desde os primeiros momentos de sua infância.

Aqui as crianças são ensinadas a reverentemente beijar o crucifixo diariamente e dar graças ao Senhor pelo dia em que vão dormir. Essas crianças vão dormir sabendo que Jesus as estará segurando em seus braços e, portanto, não há nada a temer. Seus medos e diferenças, normais, às vezes entre irmãos, desaparecem no beijo a Jesus na cruz. Eles sonham em ter um crucifixo em suas próprias casas quando se casam.

A família está inextricavelmente ligada à cruz de Cristo. É simplesmente uma visão mórbida da vida conjugal e familiar? Ou é uma sabedoria que poucos no mundo moderno podem entender?

O Catecismo ensina que "o amor deve ser permanente ou não é amor verdadeiro". Não é um sentimento que vem e vai, mas temos o poder de dar o que deveria estar lá, mesmo quando o sentimento se extingue. "

No casamento, não podemos confiar em nossa própria força, afinal humanos e, se pensarmos que podemos, fracassaremos. A tentação espreita em todo casamento, de um jeito ou de outro. No primeiro dia do casamento, é difícil imaginar que haverá um tempo em que tudo não é perfeito. O que os corações não sabem é que eles embarcaram em um caminho que percorrerá os picos mais altos e os vales mais baixos. É durante esses momentos vividos no fundo do vale que esforços heróicos são feitos para manter o curso. Às vezes é até necessário que um dos cônjuges tenha a disciplina mental para puxar o outro cônjuge de volta para o casamento. Aqueles que experimentaram isto sabem que podem ter na graça o poder do bem para levar isto através da tempestade ou do silêncio. Pode haver dias em que tudo parece perdido. Então, em um momento de verdadeira graça

Artigo original

http://www.alertadigital.com/2016/05/08/descubra-por-que-hay-un-pueblo-donde-no-hay-ni-un-solo-divorcio/REDACCION | 9811 lecturas

Descubra por qué hay un pueblo donde no se produce ni un solo divorcio

TAGSBosniaDivorcioHerzegovinaPueblo

Imagen de Siroki-Brijeg.

El matrimonio es la vocación más difícil que hay por todas partes y el divorcio está en aumento. Sin embargo, hay un pequeño pueblo en Europa que es una excepción -una notable excepción- a esta estadística preocupante.

En la ciudad de Siroki-Brijeg de Bosnia y Herzagovina, no hay ni un solo divorcio o familia rota que haya sido registrada en la memoria viva de entre sus más de 26.000 habitantes *. Entonces, viendo esto nos preguntamos ¿cuál es el secreto de su éxito?

La respuesta es la hermosa tradición que tiene el pueblo croata de Siroki-Brijeg para el matrimonio. De hecho, esta tradición matrimonial croata está empezando a tomar fuerza en el resto de Europa y América entre los devotos católicos que han visto las bendiciones que concede.

Durante siglos la gente en Siroki-Brijeg ha sufrido cruelmente ya que su fe cristiana siempre fue amenazada por los musulmanes turcos, primero, y luego por los comunistas. Siempre han sabido por experiencia, que la fuente de la salvación viene a través de la Cruz de Cristo. No viene de la ayuda humanitaria, ni de los tratados de paz o de los planes de desarme, incluso si estas cosas pueden traer algunos beneficios muy limitados.

Estas personas poseen una sabiduría que no permite que sean engañados sobre cuestiones de la vida y la muerte. Por eso han vinculado indisolublemente el matrimonio con la Cruz de Cristo. Han fundamentado en el matrimonio la Cruz que los hace ir adelante en la vida con divinidad y luz.

Cuando los novios van a la iglesia para casarse llevan un crucifijo con ellos. El sacerdote bendice el crucifijo y ha lugar decir que ellos han encontrado el socio ideal con quien compartir su vida, exclamando:

“¡Ustedes han encontrado su cruz! Se trata de una cruz para amar, para llevarla con ustedes, una cruz que no es para ser arrojada fuera de sus vidas, sino más bien para apreciarla”.

Al intercambiar los votos matrimoniales, la novia pone su mano derecha en el crucifijo y el novio pone su mano derecha sobre la de ella. Ambas manos están unidas entre sí y unidas a la Cruz. El sacerdote cubre las manos con su estola mientras pronuncian su promesa de amarse unos a otros en las buenas y en las malas, proclamando sus votos de fidelidad según los ritos de la Iglesia.

Entonces, los dos besan la cruz. Si uno abandona al otro, abandona a Cristo en la Cruz. Pierde a Jesús. Después de la boda, los recién casados cruzan el umbral de su casa para entronizar el mismo crucifijo en un lugar de honor. Se convierte en el punto de referencia de sus vidas y el lugar de la oración en familia, porque la joven pareja cree profundamente que la familia nace de la Cruz.

En tiempos de dificultades e incomprensiones, como en todas las relaciones humanas, en algún momento de sus vidas, sin acudir de inmediato con un astrólogo, o con un abogado o un psicólogo, prefieren tomar la Cruz, se arrodillan, lloran lágrimas de arrepentimiento y abren sus corazones pidiendo fuerzas para perdonar al otro, e implorando la ayuda del Señor. Esas prácticas las han aprendido desde los primeros momentos de su infancia.

Aquí a los niños se les enseña a besar reverentemente el Crucifijo diariamente y dar gracias al Señor por el día al ir a la cama. Estos niños se van a dormir sabiendo que Jesús les estará sosteniendo en sus brazos y por lo tanto no hay nada que temer. Sus miedos y diferencias, normales, a veces entre hermanos, se desvanecen en el beso a Jesús en la Cruz. Sueñan con algún día tener, al casarse, entronizado un crucifijo en sus propias casas.

La familia está indisolublemente unida a la cruz de Cristo. ¿Se trata simplemente de una visión mórbida de la vida conyugal y familiar? ¿O es una pieza de sabiduría que pocos en el mundo moderno podrán entender?

El Catecismo enseña que “el amor debe ser permanente o no es amor verdadero. No es un sentimiento que va y viene, pero tenemos el poder de dar lo que debería estar allí, incluso cuando el sentimiento se extingue”.

En el matrimonio no podemos confiar en nuestra propia fuerza, al fin y al cabo humana y si pensamos que podremos, vamos a fracasar. La tentación acecha a cada matrimonio, de un modo u otro. En el primer día de la boda es difícil imaginar que habrá un momento en que todo no sea perfecto. Lo que no saben los corazones es que se han embarcado en un camino que recorrerá las cimas más altas y los valles más bajos. Es durante esos momentos vividos profundamente en el valle que se hacen esfuerzos heroicos para mantener el rumbo. A veces incluso es necesario que uno de los cónyuges tenga la disciplina mental para tirar del otro cónyuge encarrilándolo de nuevo en el matrimonio. Los que habrán experimentando esto saben que pueden tener en la gracia el poder de bien llevar esto a través de la tormenta o el silencio. Puede haber días en que todo parezca perdido. Luego en un momento de verdadera gracia se puede traer un diluvio de amor renovado devolviendo la vitalidad a la relación y renovando el vínculo sacramental. Es durante estos tiempos de dificultad intensa que los cónyuges pueden experimentar lo que se entiende realmente por esas palabras aparentemente proféticas que ahora se añaden durante algunas ceremonias de matrimonio: “Puede besar a la Cruz.”

*Algunas fuentes citan el número de habitantes de Siroki-Brijeg tan sólo 13.000 (y casi el 100% de católicos!) Pero después de algunas investigaciones se cree que el verdadero número de habitantes es más del doble que esta cifra.