Atenção: este é um website pessoal e não oficial de testemunho e portanto todos os comentários e reflexões que não forem atribuídos a outras fontes, são somente opiniões pessoais e não podem traduzir a postura da pessoa, grupo, instituição, etc, aqui mencionados e promovidos. Com Imprimatur e Nihil Obstat dedes 2005, a obra mística divina “A Verdadeira Vida em Deus”tem todas as mensagens, livros, documentos, testemunhos, orações, palestras, peregrinações, retiros, casas de caridade e toda informação idônea e completa no

 

Site Oficial geral em inglês da obra mística divina evangelizadora "A Verdadeira Vida em Deus" em 26 idiomas  www.tlig.org 

 

 

em idioma português o Site Oficial é www.tlig.org/pg.html

 

 

 

Nosso Senhor Jesus Cristo, o novo Adão, na Agonia do Jardim das Oliveiras ou Agonia no Getsemani Gethsēmani; em hebraico: גת שמנים, transl. Gat Shmanim, do aramaico גת שמנא, Gat Shmānê, literalmente "prensa de azeite") é um jardim situado no sopé do Monte das Oliveiras, em Jerusalém (atual Israel), onde Jesus e seus discípulos oraram na noite anterior à crucificação de Jesus.

Anjos caídos

 

Reflexão hoje 28 de janeiro de 2019

 

Agora de manhã, estando a repensar algumas percepções, repensei sobre os Anjos caídos.

Que sentido tem esse relato no todo da Revelação?

Eu tenho dito e comentado com alguns conhecidos que a a Revelaçao de Deus contemplada no seu todo tem uma coerência interna e mostra uma interconexão dos relatos entre si, de modo que uns confirmam os outros explícita ou implicitamente.

Sendo que o Antigo Testamento é figura do Novo Testamento.

Essa coerência interna permite confirmar os relatos até nos mínimos detalhes, se quisermos desfazer dúvidas por exemplo a respeito de Adão e Eva. Santo Irineu de Lyon tem uma excelente explicação que confrontada com o Evangelho confirma-se embora tenhamos muitas outras perguntas. Cito abaixou ao final deste comentário.

Observei que Deus age por etapas: primeiro criou os Anjos com plenitude de dons, em estado de graça plena e vivendo constantemente na Presença Beatífica de Deus. Sua beleza e inteligência eram apenas abaixo de Deus. Mas assim mesmo houve aquele que não estava satisfeito com todo esse bem dado de graça por Deus. Lúcifer se revoltou e junto com ele muitos outros. E por essa revolta e escolha própria, Lúcifer e os Anjos que o seguiram foram diretamente perdedores da santidade e todos bens divinos, transformando-se em demônios eternos e Deus lhes concedeu um lugar sem todo bem divino onde estariam por toda eternidade odiando a Deus e padecendo as chamas do fogo que arde sem consumir. Por que arde sem consumir? Por que não houve arrependimento e assim não ouve mais a união com Deus que é fogo purificador de Amor...reflitamos sobre isso. Elementos que sao opostos em contato ficam sempre em contradição: esse é o fogo sobrenatural do Inferno, me parece.

Já que os Anjos tinham tudo e plena consciência de Deus, ao caírem na inveja e ódio receberam a consequência inversamente proporcional diretamente: uma separação eterna de Deus que eles mesmos escolheram. E assim surgiram Satanás, os demônios, os condenados e o Inferno em caráter irreversível porque não se arrependeram nunca e eterno porque são almas imortais.

À imortalidade da alma corresponde necessariamente uma existência eterna que após a morte do corpo material neste mundo, continua no mundo espiritual irreversivelmente. O que a alma escolhe neste mundo, segundo as Escrituras, viverá eternamente depois da vida terrena. Porém há casos em que Deus salva mesmo depois da morte. 

Deus dá tudo pronto mas as criaturas nunca ficam satisfeitas...  

Depois Deus criou os seres humanos com inteligência abaixo da inteligência dos Anjos para poder exercer a misericórdia.

Aqui está uma questão chave!!

O ser humano foi criado com liberdade de escolha. O estado de graça plena não retira o livre arbítrio.  

No relato do Jardim do Éden, Adão e Eva enganados pela serpente por causa da própria ambição que o espírito do Anjo caído soube perceber, estimular e aproveitar, também perderam o estado de graça como os Anjos caídos, porém com diferença qualitativa.

Os seres humanos não tinham o conhecimento pleno de Deus como os Anjos tinham ao se revoltarem e invejarem a Deus.

Logo a punição aos primeiros pais foi inversamente proporcional a seu estado inicial: no Éden Adão e Eva tinham todos os bens terrenos e estado espiritual de graça plena, mas não viviam na Presença Beatífica como os Anjos. Ao desobedecerem livremente teriam ainda a chance de arrependimento e perdão da parte de Deus, o que não aconteceu com os Anjos. Por que não? Porque os Anjos tinham plena ciência de Deus e do que estavam fazendo. Os Anjos caídos sabiam muito bem o que estavam fazendo.

Já os humanos não.

Lembremos o que disse nosso Salvador na SCruz: Pai perdoai-os porque não sabem o que fazem.

Os Anjos caídos não reconheceram o seu pecado perante Deus e não se arrependeram para serem perdoados e reunidos com Deus para sempre.

Também Adão e Eva não reconheceram e não confessaram seu pecado, não se arrependeram e assim não puderam ser perdoados.

Então começaram outras etapas da ação de Deus: foi criado um povo profético e sacerdotal, foram enviados profetas a esse povo que também se desviou do plano de Deus, e não adiantou.

Deus dá tudo pronto mas os Anjos e os humanos nunca ficam satisfeitos...

Então Deus enviou o Seu Filho Unigênito.

Quem sabe sobre Jesus Cristo de acordo com a Revelçao no seu todo e corência interna, percebe que de fato os Anjos caídos existem e que o Inferno existe e é definitivo e de livre escolha da alma, como o é o Céu.

Ninguém vai obrigado ao Céu ou ao Inferno, a alma mesma escolhe conforme as escolhas que faz na vida terrena.

Como assim?

É só observar no modo como Deus age: por etapas e proporcionalidade inversa.

Está nas Escrituras: com a medida que medirdes sereis medidos.

Se primeiro deu tudo aos Anjos e não adiantou porque houve quem se revoltasse com inveja.

Depois reduziu os bens e deu ao ser humano um paraíso de outro modo para não ter de condená-los diretamente como aos Anjos a quem havia dado compartilhar o Céu diretamente.

Eu não consigo explicar bem tudo que penso e percebo.

Mas acho que dá para entender o que tento mostrar conforme tenho pensado.

Precisamos do Salvador Jesus Cristo e se desprezamos esse ato de Amor Divino que Jesus Cristo Deus é, e o conjunto salvífico que são a Criação e as Sagradas Escrituras, o final será a queda no Inferno eterno sem os devidos arrependimento e perdão, ardendo eternamente como disse nas chamas do contraste entre o fogo do amor divino e o pecado não arrependido.

Eis apenas um breve toque na imensidão do entendimento.

Os Anjos caídos não tinham e não têm a desculpa de não saber o que estavam fazendo, em absoluto, eles sabiam muito bem tudo. Eles se obstinaram na inveja e no ódio.

 

O que mais Deus tem de fazer e que não tenha feito no todo de Sua Revelação no Antigo e Novo Testamento??

 

 

 

 

 

Eis a segunda Eva e o segundo Adão ou a nova Eva e o novo Adão.

 


Isaías 65, 17 "Com efeito, vou criar novos céus e nova terra; as coisas de outrora não serão lembradas, nem tornarão a vir ao coração."

 

Santo Ireneu de Lyon (c. 130-c. 208), bispo, teólogo, mártir 
Contra as heresias, III, 22

A Virgem Maria foi obediente quando disse: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1,38). Pelo contrário, Eva foi desobediente, tendo desobedecido quando era ainda virgem. E assim como Eva, desobedecendo, se tornou causa de morte para si mesma e para todo o género humano, assim também Maria, tendo por esposo aquele que lhe tinha sido antecipadamente destinado mas mantendo-se virgem, se tornou, pela sua obediência, causa de salvação para si mesma e para todo o género humano. […] Porque o que foi ligado só pode ser desligado quando se faz em sentido inverso o processo que tinha dado origem ao nó, de tal maneira que o primeiro laço é desatado por um segundo, tendo o segundo a função de desatar o primeiro. 

Era por isso que o Senhor dizia que os primeiros seriam os últimos, e os últimos os primeiros (Mt 19,30). E também o profeta afirma a mesma coisa, ao dizer: «Em lugar dos teus pais, virão os teus filhos» (Sl 44,17). Porque, ao tornar-Se «o Primogénito dos mortos», ao receber no seu seio os pais antigos, o Senhor fê-los renascer para a vida em Deus, tornando-Se Ele mesmo «o princípio» (Col 1,18), já que Adão fora o princípio dos mortos. É também por isso que Lucas começa a sua genealogia pelo Senhor, fazendo-a depois remontar até Adão (Lc 3,23ss.), indicando assim que não foram os pais que deram a vida ao Senhor, mas foi Ele, pelo contrário, que os fez renascer no Evangelho da vida. Da mesma maneira, o nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria, porque aquilo que a virgem Eva tinha atado pela sua incredulidade foi desatado pela Virgem Maria pela sua fé.